Choro excessivo (em bebês): tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Choro excessivo (em bebês)?

O choro é a forma de comunicação do bebê, que traduz alguma necessidade não atendida. Ele pode estar com fome, ter feito xixi na fralda, estar com dor, com frio ou calor, estar com a roupinha ou fralda muito apertada, querendo atenção, entre outras. Normalmente os pais conseguem identificar qual é a necessidade da criança, mas quando ele está inconsolável é importante procurar ajuda médica, pois ele também pode estar querendo dizer que está com dor relacionada a algum problema de saúde.

Como fazer a criança dormir?
PUBLICIDADE

Causas

São muitas as possíveis causas do choro excessivo em bebês. Desde dores associadas a doenças, até quando a criança está descontente com alguma coisa ou irritada.

Segundo o Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, as causas mais comuns nos serviços de emergência para choro excessivo em bebês são infecções, traumas e cólicas. Outros problemas são:

  • Problemas oculares como presença de um corpo estranho, úlcera de córnea e glaucoma
  • Doenças neurológicas
  • Reação a medicamentos e vacinas

Raramente a razão é dor associada a leucemia, problemas metabólicos e cardíacos. Ainda é possível que mesmo após vários exames não seja identificada a causa do choro, que desaparece espontaneamente um tempo depois, é a chamada causa idiopática.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Se o bebê não para de chorar ou não está conseguindo comer e dormir normalmente, entre em contato com o pediatra. O mesmo deve ser feito caso ele apresente algum outro sintoma, como febre, junto com o choro. Ele pode ajudar a identificar o que está acontecendo, o que é normal e o que pode indicar algo mais sério.

Também é importante saber os seus limites. Caso o choro do bebê esteja tirando o seu controle, peça para o seu parceiro ou outro ente querido para ficar com ele por um tempo para você se acalmar. Normalmente em uma hora você já consegue estar mais controlado para lidar com o problema.

PUBLICIDADE

Na consulta médica

Caso o pediatra fale que é necessário procurar um serviço de emergência, estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar tempo. Dessa forma, você já pode chegar ao consultório com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que tenha e medicamentos, vitaminas ou suplementos que o bebê tome com regularidade
  • Uma lista com as vacinas que o bebê tomou recentemente

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • O bebê está conseguindo comer e dormir normalmente?
  • Ele costuma chorar bastante?
  • Tem muitas cólicas?
  • Sabe se ele acabou colocando algum brinquedo na boca ou nos olhos que pode ter machucado?
  • Ele levou algum tombo ou pode ter se machucado de alguma forma enquanto estava brincando?
  • Tem alergia a algum alimento ou medicamento?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes de sair do consultório.

Fontes e referências

  • Departamento de Pediatria da Universidade de São Paulo
  • Clínica Mayo