Disartria: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Disartria?

Sinônimos: deterioração da fala, fala obscura, transtornos da fala - disartria

Disartria é definida como a dificuldade de utilizar os músculos da fala, ou então a fraqueza destes. Embora disartria pareça ser um problema de linguagem, é realmente um problema motor. Pode ser causada por danos no tronco cerebral ou às fibras nervosas que ligam a camada externa do cérebro (córtex cerebral) ao tronco cerebral.

PUBLICIDADE

Pessoas que têm disartria produzem sons que se aproximam ao real som das palavras, e na ordem correta. A fala pode ser ofegante, irregular, imprecisa e com tons monótonos ou de vibração, dependendo do local em que ocorreu o dano cerebral. Pelo fato de a capacidade para compreender e usar a linguagem não ser afetada, a maioria das pessoas com disartria pode ler e escrever normalmente.

Causas

Entre as possíveis causas de disartria estão:

Fatores de risco

Disartria pode afetar crianças e adultos. Você está em maior risco de sofrer com disartria se:

  • Está no grupo de risco para AVC
  • Tem alguma doença neurodegenerativa
  • Tem uma doença neuromuscular
  • Abusa de álcool ou drogas
  • Está com a saúde debilitada.

Sintomas

Sintomas de Disartria

Os sintomas da disartria podem variar, a depender da causa subjacente e local afetado. Os sinais mais comuns são:

  • Fala arrastada
  • Ritmo lento de fala
  • Incapacidade de falar mais alto do que um sussurro
  • Discurso muito rápido e difícil de entender
  • Voz rouca
  • Voz anasalada
  • Ritmo irregular ou anormal de fala
  • Voz com volume irregular
  • Fala monótona
  • Dificuldade em mover a língua ou músculos faciais
  • Babar.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Disartria pode ser sinal de uma doença grave subjacente. Marque uma consulta médica se experimentar mudanças súbitas ou inexplicáveis na sua capacidade de falar claramente.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar disartria são:

  • Clínico geral
  • Fonoaudiólogo
  • Neurologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando os sintomas começaram?
  • Os sintomas são contínuos ou ocasionais?
  • Quão graves são os sintomas?
  • O que, se alguma coisa, parece melhorar os sintomas?
  • O que, se alguma coisa, parece piorar os sintomas?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para disartria, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual a causa mais provável para os sintomas?
  • Quais as outras causas possíveis para os sintomas?
  • Que tipos de testes são necessários?
  • Devo consultar um especialista?
  • Há algum material impresso que posso levar comigo? Quais sites você recomenda?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Disartria

Vários exames podem identificar e diagnosticar a causa da disartria.

Um fonoaudiólogo irá avaliar a gravidade da doença. Um patologista vai estudar como você fala e avaliar como você mover seus lábios, língua e músculos faciais. Aspectos de sua qualidade de voz e respiração também vai contribuir para o estudo.

Após o seu primeiro exame, o médico pode solicitar qualquer um dos seguintes testes:

  • Ressonância magnética
  • Tomografia computadorizada
  • Eletroencefalograma
  • Eletromiograma
  • Estudo da condução nervosa para medir a força e rapidez com que os nervos enviam sinais elétricos
  • Exames de sangue e urina
  • Punção lombar
  • Biópsia do cérebro
  • Estudo da deglutição
  • Testes neuropsicológicos para avaliar suas habilidades cognitivas.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Disartria

O tratamento depende da causa, tipo e gravidade da disartria. Entre as opções de tratamento estão terapia para exercitar a linguagem, medicamentos para tratar condições que possam estar causando a disartria e cirurgia para retirada de um tumor ou correção de alguma alteração anatômica.

Os objetivos dos tratamentos incluem:

  • Retardar ou acelerar a velocidade da fala
  • Melhorar a respiração para que a pessoa possa falar mais alto
  • Fortalecimento dos músculos
  • Melhorar os movimentos da língua e dos lábios
  • Melhorar a produção dos sons da fala, de modo que ela fique mais clara
  • Ensinar cuidadores, familiares e professores estratégias para melhor se comunicar com o paciente
  • Em casos graves, ensinar meios alternativos de comunicação (por exemplo gestos, placas com as letras do alfabeto ou equipamento eletrônico).

Medicamentos para Disartria

Os medicamentos mais usados para o tratamento de disartria são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

É importante que tanto a pessoa com disartria quanto aquelas com quem ela se comunica trabalhem para melhorar as interações. Aqui estão algumas dicas para ajudar nesse processo:

Dicas para pessoas com disartria

  • Introduza o tópico com uma única palavra ou frase curta antes de começar a falar em sentenças mais completas
  • Certifique-se de que os ouvintes estão entendendo
  • Fale devagar e em voz alta (tanto quando possível)
  • Faça pausas com frequência
  • Tente reduzir a quantidade de conversas quando se sentir cansado ou quando o seu discurso será mais difícil de entender
  • Tente usar outros métodos de comunicação se a fala é difícil ou frustrante.

Crianças podem precisar de ajuda adicional para se lembrar de usar essas estratégias.

Dicas para ouvintes

  • Tente reduzir as distrações e ruídos de fundo
  • Preste atenção no interlocutor
  • Observe os gestos ou movimentos labiais da pessoa enquanto ela fala
  • Deixe o orador saber caso você esteja com dificuldade em entender
  • Repita apenas a parte da mensagem que você entendeu de modo que o orador não precise repetir a sentença completa
  • Se você ainda não entendeu a mensagem, faça perguntas cujas respostas sejam sim ou não, para que o paciente não precise falar muito.

Complicações possíveis

Disartria pode causar algumas complicações, incluindo:

  • Dificuldades na comunicação
  • Problemas com interações sociais
  • Depressão, devido a frustração causada pelos sintomas.

Expectativas

Trabalhar com um profissional da fonoaudiologia pode ajudar a melhorar as habilidades na fala e entendimento por parte das outras pessoas. Segundo a Associação Americana de Fala, Linguagem e Audição, cerca de dois terços dos adultos com doença do sistema nervoso central aumentam suas habilidades de fala após a intervenção fonoaudiológica.

Prevenção

Prevenção

Nem sempre a disartria pode ser evitada, uma vez que é uma consequência de várias condições. Mas é possível reduzir os fatores de risco para algumas causas de disartria com esses passos:

  • Controlar a pressão arterial elevada
  • Controlar o colesterol, gordura saturada e sal na dieta
  • Parar de fumar
  • Controlar o diabetes
  • Praticar exercícios
  • Manter o peso
  • Aumentar a quantidade de frutas e vegetais na dieta
  • Tratar a apneia obstrutiva do sono
  • Limitar o consumo de álcool
  • Não usar drogas ou medicamentos sem prescrição.

Fontes e referências

  • Ministério da Saúde
  • Associação Americana de Fala, Linguagem e Audição
  • Manual Merck
  • Mayo Clinic