Epididimite: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Epididimite?

Epididimite é um inflamação no epidídimo, tubo espiralado que fica na parte de trás do testículo, responsável por armazenar e transportar o esperma. Homens de todas as idades podem ter a doença, que é mais comumente originada por uma infecção bacteriana, inclusive advinda de doenças sexualmente transmissíveis (DST) como gonorreia ou clamídia. As vezes o testículo também pode ser infectado, o que é chamado de epidídimo-orquite.

PUBLICIDADE

Causas

A epididimite pode ser causada por vários fatores, que incluem:

  • Doenças sexualmente transmissíveis como a gonorreia e clamídia, que são as causas mais comuns de epididimite em homens jovens sexualmente ativos
  • Outras infecções bacterianas, como as do trato urinário e de próstata são comuns em homens que não são sexualmente ativos. Isso porque a infecção pode se espalhar do local infectado até o epidídimo
  • Certas medicações para o coração
  • Urina no epidídimo (epididimite química), que acontece quando a urina flui para trás, para o epidídimo, possivelmente por causa de trabalho pesado ou de deformações
  • Traumas na região
  • Tuberculose (raramente).

Fatores de risco

Os fatores de risco para epididimite são:

  • Sexo com um parceiro com alguma DST
  • Sexo sem camisinha
  • Histórico pessoal de DST
  • Histórico de infecções do trato urinário e ou próstata
  • Histórico de procedimentos médicos que afetam o trato urinário, como inserção de cateter no pênis
  • Pênis não circuncidado ou com anormalidades anatômicas
  • Próstata aumentada, que aumenta o risco de infecções e, consequentemente de epididimite.

Sintomas

Sintomas de Epididimite

Os sintomas de epididimite incluem:

  • Dor no testículo, normalmente de um dos lados
  • Dor para urinar
  • Micção urgente ou frequente
  • Saco escrotal inchado, vermelho ou quente
  • Dor ou desconforto do baixo abdômen ou na pélvis
  • Secreção
  • Relação sexual ou ejaculação dolorosa
  • Nódulo no testículo
  • Aumento dos gânglios linfáticos da virilha
  • Sangue no sêmen
  • Febre (menos comum).

Quando a epididimite dura mais de seis semanas ou ocorre frequentemente ela é considerada crônica. Os sintomas de epididimite crônica podem aparecer gradualmente e, por vezes, a sua causa não é identificada.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Nunca se deve ignorar o aparecimento de dor ou inchaço na bolsa escrotal. Os sintomas podem ser causados por várias doenças diferentes e requerem tratamento imediato para evitar danos permanentes. Se a dor for severa, é necessário procurar um pronto socorro. Também se deve buscar auxílio médico no caso de secreção no pênis ou dor para urinar.

Enquanto aguarda pelo momento da consulta, evite contato sexual que pode colocar o seu parceiro em risco de contrair alguma DST, o que inclui o sexo oral, anal e qualquer contato pele a pele com os órgãos genitais. Também é bom avisar o seu parceiro sobre os seus sintomas para que ele ou ela possam buscar testes para verificar a presença de alguma DST.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar epididimite são:

  • Clínico geral
  • Urologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar ao consultório com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles surgiram, mesmo os que não parecem relacionados com o problema em si
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos, vitaminas ou suplementos que tome com regularidade.

Também pode ajudar levar as dúvidas por escrito para a conversa com o médico, começando pela mais importante. Isso garante que o paciente saia da consulta com todas as questões respondidas. No caso da epididimite pode ser interessante perguntar:

  • Quais são as prováveis causas da doença?
  • Quais os tratamentos disponíveis e qual o mais recomendado para o meu caso?
  • Qual o tempo até os sintomas desaparecerem?
  • Meu parceiro deve ser testado para doenças sexualmente transmissíveis?
  • Há alguma restrição com relação a atividade sexual que eu preciso seguir?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Epididimite

Para diagnosticar epididimite o médico começará com um exame físico, verificando se há aumento dos gânglios linfáticos da virilha e inchaço no testículo. O urologista pode ainda fazer um exame retal para checar se a próstata está aumentada.

Depois desses exames, ele pode solicitar:

  • Triagem de DST
  • Exame de urina
  • Exame de sangue
  • Ultrassom.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Epididimite

Pode ser necessário o uso de antibióticos para tratar epididimite e epidídimo-orquite. Se a causa da infecção bacteriana é uma DST, o parceiro sexual do paciente também precisará de tratamento.

Podem passar algumas semanas até que os sintomas comecem a desaparecer. Para aliviar a dor, pode ser recomendado usar suportes atléticos para a região, descansar, aplicar compressas de gelo e fazer uso de medicamentos para dor prescritos pelo médico.

O médico provavelmente pedirá que o paciente retorne para ver se ele realmente está livre da infecção. Se ela persistir, o médico indicará outro antibiótico. Para a maioria das pessoas, o tratamento acaba depois de três meses.

Se a infecção gerar um abcesso, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para drená-lo. Em algumas situações, parte ou todo o epidídimo precisa ser removido na cirurgia.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Normalmente os casos de epididimite se resolvem em três meses de tratamento, contudo, a causa do problema pode demandar mais cuidados, principalmente no caso das doenças sexualmente transmissíveis.

Complicações possíveis

Se não tratada, a epididimite pode se tornar crônica, o que demanda mais cuidados e causa incômodos e dores frequentes.

Outras complicações são:

  • Infecções com pus na bolsa escrotal
  • A infecção se espalhar do epidídimo para o testículo
  • Redução da fertilidade (raramente).

Expectativas

Normalmente o tratamento de epididimite é bem sucedido e termina após três meses. Contudo, dependendo da causa que levou a essa doença, o tratamento pode durar mais ou menos tempo e as complicações futuras também.

Prevenção

Prevenção

A prevenção mais importante contra a epididimite é evitar o contágio por doenças sexualmente transmissíveis praticando sexo seguro.

Se o paciente tem infecções do trato urinário recorrentes, outro fator de risco para a doença, ele pode discutir com o médico outras formas para se prevenir contra a epididimite.

Fontes e referências

  • Mayo Clinic