Intertrigo na virilha: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dra. Angelica Pimenta
Dermatologia - CRM 120847/SP
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Intertrigo na virilha?

O intertrigo é uma doença de pele, uma infecção que ocorre principalmente pelo atrito frequente entre as peles, em que há proliferação de bactérias e fungos do gênero dermatófito. A virilha, por ser uma dobra e ter pele em constante atrito é uma região muito propícia a apresentar esse problema, o que torna o intertrigo na virilha muito comum.

PUBLICIDADE

Causas

O intertrigo na virilha é causado principalmente pela proliferação de bactérias e fungos do gênero dermatófito, em locais do corpo mais exposto a umidade, calor e atrito. Geralmente, as partes do corpo que estão mais vulneráveis a essa doença são dobras, como a virilha.

O intertrigo na virilha inicialmente não é uma doença contagiosa. Isso apenas ocorre quando surge infecção secundária por bactérias e/ou fungos é que ele pode se tornar contagioso através do contato de outras pessoas com o local da ferida.

Fatores de risco

Os fatores de risco para o intertrigo na virilha são:

  • Estar exposto ao calor e umidade
  • Obesidade
  • Suor excessivo
  • Falta de higiene
  • Uso de roupas íntimas apertadas ou com tecidos sintéticos e irritantes
  • Diabetes.

As pessoas mais atingidas pelo intertrigo na virilha são geralmente as que estão acima do peso, diabéticos, bebês e mulheres no período de menstruação. Nas pessoas com obesidade e nos diabéticos o intertrigo na virilha é, às vezes, difícil de controlar e o paciente apresenta quadros de infecções fúngicas ou bacterianas recorrentes, causando muito prurido e dor no local.

Sintomas

Sintomas de Intertrigo na virilha

O intertrigo na virilha se apresenta como uma região avermelhada, inflamada, como uma descamação leve, podendo haver a formação de erosão, crostas, exsudação (saída de líquido nas lesões), coceira ou queimação nas regiões de dobras. Se não for tratada pode causar crostas na região e até a formação de bolhas.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Busque ajuda médica quando perceber que a vermelhidão na virilha não está sumindo, mesmo com bons cuidados caseiros como uma higienização adequada da região e o uso de roupas leves e não apertadas e se a vermelhidão ocorre em outras dobras do corpo também. Fique atento também caso se espalhe para outra dobra da pele.

Diagnóstico de Intertrigo na virilha

O diagnóstico do intertrigo na virilha é feito com base na observação dos sintomas da doença e através de exames como:

  • Raspagem da pele e exame KOH (hidróxido de potássio) para eliminar uma infecção por fungo
  • Lâmpada de Wood (luz negra) para eliminar uma infecção bacteriana chamada eritrasma
  • Biopsia da pele, que pode ser necessária em casos mais raropara confirmar o diagnóstico.

Também é indicada a realização de exame de sangue para o diagnóstico mais preciso, principalmente, para verificar se o indivíduo não está com diabetes. O intertrigo na virilha e em outras partes do corpo pode ser um dos sintomas iniciais da diabetes.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Intertrigo na virilha

O tratamento para o intertrigo na virilha dependerá do grau de desenvolvimento da doença. Quando não ocorreu infecção e apenas é observado a vermelhidão (eritema), apenas pomadas que tenham em sua fórmula óxido de zinco para alivio da coceira e regeneração da pele já são suficientes, além de medidas de higiene local como o uso de sabões neutros, utilizar roupas íntimas largas, de tecido de algodão, evitando náilon ou poliéster, pois vestimentas feitas com esses tecidos permitem o contato contínuo da pele com o suor.

Já em casos mais graves e crônicos de intertrigo na virilha, o tratamento é com aplicação de pomada a base de antibiótico e antifúngico e medicamentos por via oral. Nesse caso, o tratamento é realizado de forma ininterrupta.

Medicamentos para Intertrigo na virilha

Os medicamentos mais usados para o tratamento de intertrigo na virilha são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Fontes e referências

  • Angélica Pimenta, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia (SBLMC) (CRM: 120.847)