Colectomia: cirurgia remove a totalidade ou parte do cólon

Entenda como é feito o procedimento e quais as indicações

O que é?

Colectomia é um procedimento cirúrgico para remover a totalidade ou parte do seu cólon. Mais conhecido como intestino grosso, o cólon é um órgão em formato de tubo, localizado no final do seu sistema digestivo. A colectomia pode ser necessária para tratar ou prevenir doenças e condições que afetam o cólon.

PUBLICIDADE

Tipos

Existem vários tipos de operações de colectomia:

  • Colectomia total: envolve a remoção de todo o cólon
  • Colectomia parcial: envolve a remoção de parte do cólon. Também pode ser chamado de colectomia subtotal
  • Hemicolectomia: envolve a remoção da parte direita ou esquerda do cólon
  • Proctocolectomia envolve a remoção tanto do cólon quanto do reto

A cirurgia de colectomia geralmente requer outros procedimentos para unir as partes de seu sistema digestivo ou permitir que você possa defecar.

Indicações

A colectomia é utilizada para tratar e prevenir doenças e condições que afetam o cólon, tais como:

  • Sangramento que não pode ser controlado. Uma hemorragia grave do cólon pode exigir cirurgia para remover a parte afetada
  • Obstrução intestinal. Um cólon bloqueado é uma situação de emergência que pode exigir colectomia total ou parcial, dependendo da situação
  • Câncer de cólon
  • Doença de Crohn. Se os medicamentos não estão ajudando, retirar a parte afetada do cólon pode oferecer alívio temporário de sinais e sintomas
  • A colectomia pode também ser uma opção se alterações pré-cancerosas são encontrados durante um teste para examinar o cólon (colonoscopia), por exemplo, a polipose adenomatosa familial
  • Retocolite ulcerativa: o médico pode recomendar a proctocolectomia total se os medicamentos não estão ajudando a controlar os seus sinais e sintomas
  • Diverticulite. O médico pode recomendar a cirurgia para remover a parte afetada do cólon, se há recidivas, sua diverticulite se repete ou se tiver houver complicações maiores da doença
  • Cirurgia preventiva. Se você tem um risco muito elevado de câncer de cólon devido à formação de múltiplos pólipos do cólon, você pode optar por se submeter a uma colectomia total para prevenir o câncer no futuro. A colectomia também pode ser uma opção para as pessoas com doenças genéticas hereditárias que aumentam o risco de câncer de cólon, como polipose adenomatosa familiar ou síndrome de Lynch.

Discuta as opções de tratamento com o seu médico. Em algumas situações, você pode ter uma escolha entre os vários tipos de colectomia. Discuta com o médico os benefícios de cada uma para o seu caso.

Preparo para a colectomia

Durante os dias que antecedem a sua cirurgia de cólon, o médico pode pedir que você:

  • Pare de tomar certos medicamentos. Algumas medicações podem aumentar o risco de complicações durante a cirurgia. Dessa forma, o médico pode pedir que você parar de tomar os medicamentos antes da cirurgia
  • Você pode ser solicitado a parar de comer e beber antes do procedimento. O médico irá especificar quantas horas exatamente
  • Nos dias que antecedem a colectomia, você precisará seguir alguns cuidados para limpar seu cólon. O médico irá receitar um medicamento laxativo, que deverá ser ministrado conforme suas instruções. Isso porque o intestino grosso, onde ficam depositadas as fezes, deverá estar limpo. Nos dias anteriores ao exame você irá ao banheiro diversas vezes, por conta da medicação laxativa. Você irá ao banheiro até que a evacuação seja apenas uma água transparente. Essa é a de que o cólon está limpo, preparado para fazer o exame, pois só assim é possível enxergar a mucosa e encontrar lesões.

É importante ressaltar que a preparação para colectomia nem sempre é possível. Por exemplo, se você precisa de uma colectomia emergencial devido à obstrução intestinal ou perfuração intestinal.

Você pode passar alguns dias no hospital após a colectomia, dependendo da sua situação. Tome providências para que alguém cuide de suas responsabilidades em casa e no trabalho. Pense no que você gostaria de ter com você durante a estadia no hospital. Coisas que você pode levar incluem:

  • Roupão, pijamas e chinelos
  • Artigos de higiene pessoal, como escova de dentes, creme dental e aparelho de barbear
  • Atividades para passar o tempo, como um livro, revistas ou jogos.

Exames necessários para realizar a cirurgia

Todos os exames pré-operatórios, incluindo cardiológicos e eletrocardiograma.

Como é feita

No dia de sua cirurgia, a equipe médica irá levá-lo a uma sala de preparação. Sua pressão arterial e respiração serão monitoradas. Você pode receber um medicamento antibiótico por meio de uma veia em seu braço.

Em seguida, você será levado para uma sala de cirurgia e posicionado sobre uma mesa. Será ministrada uma anestesia geral para que você não sinta nada durante a operação. A equipe cirúrgica, então, prossegue com a colectomia. A cirurgia do cólon pode ser realizada de duas maneiras:

  • Cirurgia aberta: a colectomia aberta envolve fazer uma incisão em seu abdômen para acessar seu cólon. O cirurgião utiliza instrumentos para remover parte do seu cólon a partir do tecido circundante e corta ou uma porção do cólon ou todo o cólon. Durante todo o procedimento o seu órgão está exposto
  • Colectomia laparoscópica: também chamada de colectomia minimamente invasiva, ela envolve entre três a cinco pequenas incisões no abdômen. A cirurgia envolve a utilização de múltiplos tubos que são inseridos nessas incisões, que são geralmente menores que cinco centímetros. Uma câmera então é introduzida por um desses tubos e um gás (dióxido de carbono) pode ser utilizado para lentamente inflar o abdome do paciente. Estes recursos permitem que a equipe cirúrgica visualize o interior do abdome por um monitor e que instrumentos especializados sejam colocados por meio dos tubos para executar a operação. Para fazer a retirada de parte do cólon, uma das incisões é ampliada e o órgão é retirado para fora do corpo, de forma que o cirurgião consiga remover a parte afetada.

O tipo de operação escolhida par ao seu caso depende do seu quadro e experiência do cirurgião. A colectomia laparoscópica pode reduzir o tempo de dor e recuperação após a cirurgia. Mas nem todos são candidatos para este procedimento. Além disso, em algumas situações, sua operação pode começar como uma colectomia laparoscópica, mas as circunstâncias podem forçar sua equipe cirúrgica para converter para uma colectomia aberta.

Uma vez que o cólon foi removido, o cirurgião irá reconectar o seu sistema digestivo, de forma a permitir que o trânsito das fezes no intestino seja reconstituído. As opções podem incluir:

  • Reunir as partes restantes do seu cólon: o cirurgião pode costurar as parcelas PARTES restantes do seu cólon em conjunto, criando o que é chamado de anastomose. As fezes continuam a deixar seu corpo do jeito tradicional
  • Ligar o intestino a uma abertura criada em seu abdômen: dependendo da porção do cólon que foi retirada, o cirurgião pode anexar seu cólon ou intestino delgado a uma abertura criada em seu abdômen. Isso permite que os resíduos deixem seu corpo por meio dessa abertura, chamada de estoma. Pode ser usada uma bolsa do lado de fora do estoma para recolher fezes. Essa manobra pode ser permanente ou temporária
  • Ligar o intestino delgado ao ânus: após retirar todo o cólon e reto (proctocolectomia), o cirurgião pode criar uma bolsa que liga seu intestino delgado ao ânus. Isso permite expulsar os resíduos normalmente, mas você pode ter várias evacuações aquosas a cada dia. Como parte deste processo, você pode sofrer uma ileostomia temporária.
Câncer: quimioterapia substitui cirurgia para retirada de tumor?

O cirurgião irá discutir essas opções com você antes de sua operação.

Tipos de Anestesia

É ministrada uma anestesia geral, para garantir que o paciente fique desacordado durante toda a cirurgia.

Tempo de duração do procedimento

O tempo que durará a colectomia depende do tamanho da porção do cólon que será retirada e se será feita uma colostomia ou ileostomia. Uma colectomia preventiva pode durar duas horas, como pode levar de seis a oito horas sem complicações - tudo depende das condições da paciente e das variantes citadas.

Recomendações pós-cirurgia

Após a cirurgia, você será levado para uma sala de recuperação a será monitorado até a anestesia passar. Em seguida, a equipe de saúde irá levá-lo para o seu quarto de hospital para continuar sua recuperação.

Você ficará no hospital até recuperar a função intestinal. Isso pode demorar alguns dias a uma semana. Você pode não ser capaz de comer alimentos sólidos nos primeiros dias e receber nutrição líquida por uma veia do braço. Após essa fase, serão inseridos líquidos claros em sua alimentação, partindo depois para os alimentos sólidos.

Se a sua cirurgia envolveu uma colostomia ou ileostomia, você vai encontrar-se com uma enfermeira que mostrará como cuidar de seu estoma. A enfermeira irá explicar como mudar o saco que irá recolher os resíduos.

Depois de deixar o hospital, você ficará cerca de duas semanas se recuperando em casa. Você pode sentir uma fraqueza no começo, mas, eventualmente, a sua força voltará. Pergunte ao médico quando você poderá voltar à rotina normal.

Riscos

Colectomia acarreta um risco de complicações graves. O risco de complicações é baseado em sua saúde geral, o tipo de colectomia e a abordagem do cirurgião para executar a operação. Em geral, as complicações da colectomia podem incluir:

  • Sangramento
  • Coágulos de sangue nas pernas (trombose venosa profunda) e nos pulmões (embolia pulmonar)
  • Infecção
  • Prejuízo para órgãos perto do seu cólon, como bexiga e intestino delgado
  • Lesões nas suturas que reconectam as partes do seu sistema digestivo
  • Vazamento de conteúdo fecal para a cavidade abdominal, levando a peritinite.

Você vai passar um tempo no hospital após a colectomia para permitir que seu sistema digestivo se cure. Sua equipe também irá acompanhá-la para identificar sinais de complicações de sua cirurgia.

Referências

Revisado por: João Duda, coloproctologista da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e especialista do Portal Minha Vida

Leonardo Peixoto, gastroenterologista da Federação Brasileira de Gastroenterologia e especialista do Minha Vida

Sociedade Brasileira de Coloproctologia

Ministério da Saúde

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.